Notícias

Imagem
Os engenheiros agrónomos da AGRIMINHO têm sido chamados nas últimas semanas para resolver situações criticas em plantações de Mirtilo e de Framboesa realizadas no Norte de Portugal.
Em todos os casos tem-se assistido a problemas gravíssimos que comprometem a produtividade nos próximos 4 anos, no caso do mirtilo, e podem obrigar à replantação da framboesa e mirtilo em alguns casos.

É fundamental que:

1 – Em todas as plantas de mirtilo (excepto Elliot), as flores e os frutos sejam suprimidos, pelo menos no primeiro ano. Quando a planta tem fruto as raízes reduzem o crescimento. Numa planta pequena o volume de raízes é mínimo e assim não tem possibilidade de expandir. Há evidências e muitos estudos que indicam perdas de até 40% da produção no terceiro ano consequência de se ter deixado a flor.

2- Não pode haver qualquer erva numa faixa de 50 cm para cada lado da linha de plantação. O mirtilo é um péssimo competidor, sobretudo em terrenos férteis. Apenas algumas infestantes são suficientes para reduzir o crescimento da planta, que ficará enfezada. Deve-se usar mulching, cobertura de estilha de madeira, serradura, casca de pinheiro (todas curtidas) ou plástico e tela, SEMPRE, em complemento, em complemento sublinha-se, pode-se usar um programa com uso de herbicida, mas não deve ser em exclusivo, e se sim, tem que ser eficiente, não se permitindo o crescimento de autênticas florestas em que as plantas mal se vêm. No caso da framboesa as infestantes podem ainda agravar o problema por fomentarem o aparecimento de míldio, com a consequente morte da planta.

3 – Observa-se elevada mortalidade de mirtilos, sobretudo quando provenientes de vasos mais pequenos, em consequência de ataques de pedroto da vinha, Otiorhynchus sulcatus (que rói as raízes) e, sobretudo, pelo fungo Phytophthora cinnamomi (podridão das raízes), em solos pesados em que a plantação não foi feita em camalhão, com incorporação de serrim, ou sem matéria orgânica reactiva como turfa e substratos. Há que drenar os solos e eventualmente prever a replantação corrigindo estes erros. (além da morte das plantas a falta de arrejamento reduz drasticamente a produção. Dar preferência à rega por aspersão no caso de ataques fúngicos das raízes (quando não se usam telas)
No caso da praga consultar os nossos serviços técnicos para avaliar a forma de intervenção.

4 – Plantações de framboesa que se apresentam raquíticas por se encontrarem em solos de pH demasiado baixo, apresentando diversas carências nutritivas. Há que corrigir o pH urgentemente , este deve estar entre 5,5 até 6,5.

Temos também registado vários fenómenos de escaldões em framboesa em estufas mal arejadas, e plantas de mirtilo com deficiências de nutrição, consequência da utilização desequilibrada de fertilizantes, sobretudo falta de fósforo solúvel, cálcio e magnésio, além da falta de água, é mais eficiente uma rega repartida em dois momentos do que abundante num só momento.

Como os problemas são muito generalizados desde já fazemos estes alertas.

Ao dispor

AGRIMINHO

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s